Nova Iorque e Japão eram duas das minhas viagens de sonho. Há dois anos realizei uma delas e visitamos Nova Iorque, daqui a duas semanas partimos rumo ao Japão.

Não tenho familiares japoneses, nem nada semelhante, mas adorava anime e mangá. O primeiro contato foi através do canal Locomotion quando surgiu a Cabovisão e o “bichinho” pegou, assim que tive internet via anima e lia mangás, visto que em Portugal a cultura japonesa não tinha muita visibilidade e esta era a única maneira de obter mangás. Quando viajava, aproveitava e comprava alguns quando encontrava.

Após Nova Iorque, Japão era o próximo grande destino.
Esta viagem requereu muito maior planeamento que Nova Iorque, foi necessário estabelecer antecipadamente um roteiro para decidirmos e reservamos o alojamento assim como ponderar a compra do Japan Rail Pass.

1) Viagem

Através do Google Flights criei uma notificação que me dava a indicação da tendência dos preços e acabamos por reservar os nossos bilhetes na Lufthansa. Vamos do Porto para Tóquio, fazendo uma escala em Frankfurt e depois voltamos a partir de Osaka, com escala em Tóquio e Frankfurt antes de chegarmos finalmente ao Porto.

2) Visto

A Lei mudou e atualmente o Japão mantém um acordo para isenção de visto com Portugal. Portanto, um português pode estar no Japão durante uma estadia inferior a 90 dias sem necessitar de visto.

3) Passaporte

Para viagens fora da União Europeia é obrigatório a apresentação do passaporte, o cartão de cidadão de pouco serve fora da Europa. Certifiquem-se de que o vosso passaporte está dentro da validade, mínimo de 6 meses,  se estiver caducado devem tratar da renovação dos documentos o quanto antes. Um passaporte novo ou a renovação do mesmo tem um custo de 65€.

4) Roteiro

O Japão é GIGANTE e é necessário estabelecer um roteiro. É necessário tomar decisões difíceis porque não dá para visitar tudo. As opções são mais que muitas e o tempo é limitado que inevitável temos que deixar coisas muito interessantes de fora, mas isso é apenas um motivo para lá voltar no futuro, né? Vamos 15 dias e para já está decidido visitarmos Tóquio, Monte Fuji, Quioto, Nara e Osaka.

Apesar disso queremos aproveitar ao máximo e tal como fiz para Nova Iorque, utilizei o Visit a City,  onde podem consultar já roteiros pré-definidos ou fazer o vosso. Criei 3 iterários: Um para Tóquio + Monte Fuji, Um para Quioto + Nara e um para Osaka. Depois de organizar o roteiro fiz download do mesmo para conseguir ver em modo offline.
Esta é uma óptima ferramenta pois ao adicionar um novo ponto de visita ele calcula qual o melhor dia em que essa visita se enquadra no roteiro, tendo em conta a proximidade com os restantes.

5) Deslocação

Existe o Japan Rail Pass é um passe de comboios válido durante um período de 7, 14 ou 21 dias consecutivos, criado especificamente para viajantes estrangeiros que pretendam visitar o Japão e tem de ser comprado antes de chegar ao Japão, mas o preço pode assustar. Se bem utilizado, ele ajuda a poupar muito dinheiro em transportes.
Convém analisar muito bem o roteiro e se realmente compensa a sua compra ou não. Para ajudar nesse processo, acede ao site da HyperDia e soma o preço de todas as deslocações que terás de fazer. Compara com o preço do JR Pass aplicável (7, 14 ou 21 dias) e opta pela opção mais barata.

Comprar ou não o Japan Rail Pass foi das decisões mais demoradas que tivemos de tomar.
Uma vez que em Tóquio não se consegue utilizar o Japan Rail Pass e o voo de volta parte de Osaka e essa seria uma deslocação a menos (porque maior parte das pessoas regressa a Tóquio) optamos por não comprar o Japan Rail Pass.

Uma vez que vamos viajar com um casal amigo optamos por reservar um carro durante 4 dias. Vamos de Tóquio para o Monte Fuji e depois de lá para Quioto, onde deixamos o carro. Existe uma taxa extra para deixar o carro numa localização diferente, mas acaba por compensar. Para conduzir no Japão é necessário a carta Internacional, basta ir ao IMT e pedir. A carta tem o custo de 30€.

6) Dinheiro & Cartões de Crédito/débito

As pessoas com quem falei que foram ao Japão tiveram imensos problemas com os cartões de crédito e débito. Para já vamos levar Ienes Japoneses que pedi no banco uma vez que lá as taxas de câmbio são um roubo por isso aconselho-vos a “encomendar” Ienes Japoneses antecipadamente junto do vosso banco.
 DICA: Para facilitar é transformar os ienes em dólares, dividindo por 100. Se uma coisa custa ¥1.000, então isso corresponde a aproximadamente US$10 e é mais fácil depois calcular em euros.

7) Alojamento

Em qualquer das viagens que faço, procuro hotéis até à exaustão, na tentativa de reduzir o orçamento da viagem para depois ter mais margem para outras coisas durante a viagem. Convém reservar com antecedência para obter os melhores preços, por isso é importante ter já o roteiro planeado.

Como sabem, uso sempre o airbnb e o booking nas minhas viagens, e o caso do Japão não foi exceção.
Tanto num como noutro podem ver os comentários de outros hóspedes sobre os hotéis/habitação, a pontuação atribuída ao mesmo, condições do quarto e por vezes encontram promoções e ofertas de última hora. Pessoalmente, gosto mais do booking porque permite cancelar as reservas sem custos e isso dá alguma tranquilidade caso seja necessário mudar o itinerário caso necessário.



Booking.com



Booking.com



Booking.com

8) Diferença Horária

No Japão a diferença é de mais 9 horas do que em Portugal, por isso já vamos preparados para uma direta na primeira noite e para lidar com o jetlag quando regressarmos.

9) Quando viajar

Escolhemos o mês de Abril, por ser a melhor altura para vermos as cerejeiras em flor, mas este ano elas pregaram uma partida e já começaram a florescer, espero ainda conseguir apanhar alguma coisa. Para além disso, as estações são muito semelhantes às nossas e parece que irá estar um clima ameno.

10) Internet

Viajar para um sítio onde não se fala a língua e não se consegue perceber absolutamente nada do que está escrito pode ser um desafio. Por isso, nada melhor que um telemóvel com internet para tirarmos qualquer dúvida necessária. Podem optar pelo Pocket Wi-fi ou por um Cartão Sim Card. Optamos pelo Cartão Sim que dá para 15 Dias, 3GB e custa apenas 23€. Compramos aqui.

11) Mala

Vou optar por levar uma mochila de campismo em vez de mala de rodinhas gigante para ser mais fácil entre deslocações. Na mochila vou levar apenas mudas de roupa para uma semana com esperança de a conseguir lavar durante o percurso. Porque colocar roupa para duas semanas numas mala é quase missão impossível. Para além disso, convém deixar espaço para todas as lembranças que vou trazer de lá!

Resumindo

Planear uma viagem ao Japão requer tempo, paciência e vontade. Há quem goste de planear conforme as coisas vão acontecendo, mas esse não é o meu estilo. Para além disso, planear a viagem dá-me imenso prazer. Adoro fazer a pesquisa e encontrar coisas sobre os quais nunca tinha ouvido falar, decidir onde ir e o que fazer. No entanto deixo sempre margem para o imprevisto, nada está escrito em tinta permanente.

 

Se tens dicas interessantes partilha comigo! 🙂



Booking.com

 

Para ficares a par das novidades,
segue-nos no Facebook aqui
e/ou no Instagram @elacozinha,

Se quiseres entrar em contacto comigo envia-me um e-mail para elecozinhaelalava@gmail.com

O ano passado passei um fim-de-semana no Talasnal, desta vez a aldeia escolhida foi a de Gondramaz.  Esta é uma aldeia “perdida”,  à volta não existe civilização, apenas Natureza.

Após as Aldeias do Xisto terem passado por período de desertificação e abandono, hoje assiste-se a um repovoamento e renovação das casas e respectivas comunidades para fins turísticos. Uma aldeia de xisto, toda restaurada. As aldeias encontram-se restauradas e com imensas casas rurais.

Escolhemos a casa rural Mountain Whisper e ficamos na Casa Mãe, quando chegamos à noitinha e os aquecedores estavam ligados e a lareira estava a chamar por nós espera. A casa tinha um vidro de cima a baixo com vista direta para a Serra. A decoração era de bom gosto, simples e acolhedora, quase que nos sentimos em casa e a verdade é que com o frio que se fazia sentir, nem nos apetecia muito sair da mesma.

No dia seguinte o tempo deu tréguas e estava um belo dia de sol para a nossa caminhada pelos trilhos.  Apressamo-nos a tomar o pequeno-almoço e a preparar as coisas para a caminhada que apesar de curta foi um desafio. Um trilho bem mais difícil do que aquela que fizemos no Talasnal, com encostas íngremes e um piso escorregadio que passava pelo Penedo dos Corvos, com uma espectacular vista sobre o vale.

Antes de dares início à caminhada certifica-te que levas contigo o essencial:
– Água;
– Snacks;
– Sapatilhas de Montanha ou Trail;
– Roupa adequada ;
– Bastão de caminhada, para percursos mais longos e para quem tiver mais dificuldades;
– Proteção solar (mesmo no Inverno);
– Um relógio com GPS, para te conseguires orientar pelo caminho;

No Domingo aproveitamos o dia para visitar os pontos das instalações “Isto é Lousã“, fomos ao Baloiço do Trevim, às letras no Chiqueiro, e à moldura. Aproveitamos para almoçar por Mirando do Corvo e com muita pena voltamos para casa. A verdade é que não queríamos deixar a Lousã. É para aqui que dá vontade de fugir todos os anos, de tudo e de todos (nem rede há). Aqui encontramos a paz, sossego e renovamos energias.

Para ficares a par das novidades,
segue-nos no Facebook aqui
e/ou no Instagram @elacozinha,

Se quiseres entrar em contacto comigo envia-me um e-mail para elecozinhaelalava@gmail.com

Não levo muita coisa comigo, mas isto para mim é essencial:

1. Tablet Acer para ver umas séries e uns filmes
2. Telemóvel Huawei para nunca ficar incontactável
3. PowerBank para nunca ficar sem bateria
4. Máquina Polaroid da FujiFilm para registar os bons momentos
5. Óculos de Sol
6. Protetor Corporal e facial Piz Buin
7. Porta-Moedas da Stradivarius

Aquela coxinha boa é da minha pestinha que tem que andar sempre em cima do acontecimento.  Afinal ela também  entra para os essenciais de viagem, pois ela anda sempre connosco!

Estes são os meus essenciais de viagem, que vão sempre na minha mochilinha.

Para além disso não dispenso de uns snacks, desde barritas, frutos secos, fruta e bolachas.
Uns chinelos de dedo, roupa leve e confortável e um peça de  bikini (mínimo).
Quando viajo tento sempre manter a regularidade dos treinos, apesar de ser algo mais descontraído por isso levo sempre o meu soutien de desporto e as sapatilhas de correr, o resto normalmente adapto daquilo que já levo.
Para além das peças confortáveis, levo sempre uma peça mais formal, uma sweatshirt e um casaco mais quente. Não vá o diabo tece-las.
Algo que também não pode faltar é um bom creme hidratante para depois dos mergulhos na piscina ou de um dia passado na piscina.
Como tenho rinite alérgica tenho que andar sempre atrás com lenços, o meu anti-estaminico e um  kit de primeiros socorros: pensos rápidos, comprimidos para a dor de cabeça, febre e diarreia, fenistil e picalm. 
Uff.. a lista já é longe e ainda nem falei dos essenciais de higiene (desodorizante, escova e pasta dos dentes, fio dental, perfume, creme para rosto), mas acho que isso toda a gente leva!

Depois de fazeres a mala não te esqueças de verificar se tens:

  • Cartão de cidadão e/ou passaporte
  • Bilhetes de avião e hotel impressos
  • Documentos de seguro de saúde e de viagem
  • Dinheiro
  • Cartão de crédito e/ou Cartão Multibanco
  • Guias e mapas do país/cidade para onde vais

E depois é só aproveitar!

Para ficares a par das novidades,
segue-nos no Facebook aqui
e/ou no Instagram @elacozinha,

Se quiseres entrar em contacto comigo envia-me um e-mail para elecozinhaelalava@gmail.com

468x60_Saude

A verdade é que já perdi a conta às vezes que visitei Paris, é a sorte de ter lá familiares!

De cada vez que volto aproveito sempre para conhecer algo novo ou fazer algo diferente, desta vez resolvemos fazer um “Paris Insólito” e deambular pelas ruas, mas para quem visita pela primeira vez e quer realmente conhecer a cidade vou deixar-vos aqui algumas dicas sobre o que ver/fazer e o que comer ou o que devem experimentar.
Relativamente a escolhas de onde ficar, cada dia existe mais oferta, quer através do booking ou airbnb, é só escolher conforme o budget, a rede de metro é vasta por isso não devem ter qualquer problema. Apenas assegurem-se que o vosso hotel fica perto de uma estação de metro. Se optar por usar o metro de Paris, deve comprar vários bilhetes de uma vez (packs de 10) ou verificar se vale a pena comprar dos bilhetes diários com viagens ilimitadas.

Este “Guia de Paris” vai proporcionar-te uma viagem bastante completa pelos monumentos e várias zonas da cidade.
Depois é só prepares o teu próprio roteiro de viagem.
Depois de seleccionares os monumentos, museus e sítios a visitar podes dar uma vista de olhos ao Paris Pass, que para além de  descontos em monumentos poupa tempo nas looongas filas.

paris_attraction_map

Torre Eiffel
A “cara” de Paris e um ponto que merece uma visita obrigatória.
Podem adquirir o bilhete online e poupar tempo de fila e passar à frente, caso contrário preparem-se para uma longa fila de espera.
Podem também optar por subir a Torre Eiffel a pé,  raramente tem gente, mas precisam de umas “pernas atléticas” para subir e descer pelas escadas, são cerca de 2000 degraus até ao topo. Só  até ao primeiro andar são 300, depois disso têm que ir para o elevador para ir até ao 3º andar, aí não há escolha possível.

Trocadéro
Esta é uma zona do lado oposto do Rio Sena, com vista para a Torre Eiffel. Por norma, costumo sair aqui e fazer todo o percurso até à Torre Eiffel, vale mesmo a pena.

Campo de Marte (em francês Champ de Mars)
É uma das maiores zonas verdes em Paris e um belo sítio para um piquenique ou uma soneca, porque fica mesmo colocado à Torre Eiffel. Aproveita para descansar um bocadinho aqui, se o tempo assim o permitir.

Cruzeiro no Rio Sena
Existe perto da Torre Eiffel e Notre Dame, vários barcos que fazem o percurso ao longo do Rio Sena, passando pelo vários monumentos. Um passeio a não perder se tiverem tempo.

Palácio dos Inválidos (francês: Hôtel National des Invalides)
É um enorme monumento, que inicialmente serviu de abrigo aos inválidos do exército. Hoje em dia, continua a acolher inválidos, mas é também uma necrópole militar e sede de vários museus. É aqui que se encontra seputlado o Napoleão Bonaparte.

Notre Dame
A Catedral de Notre-Dame é uma das mais antigas catedrais francesas em estilo gótico e situa-se numa pequena ilha, rodeada pelas águas do Rio Sena e considerada o “Ponto Zero” de Paris, é a partir daqui que se começam a contar os quilómetros.

Quartier Latin
É uma área que fica na margem esquerda (sul) do Rio Sena, em torno da Universidade de Sorbonne, é conhecida pelo ambiente animado e pela área comercial, aqui podem comprar roupa usada e acessórios de marcas de luxo em segunda mão de uma forma fácil, rápida e segura! O nome deriva da língua utilizada na idade média para quem se dedicava aos estudos superiores: o Latim.

Museu do Louvre
É um dos maiores e mais famosos museus do mundo (para além de ser o mais visitado) e percorrer todas as galerias é o equivalente a fazer uma maratona.  Aqui encontram a Mona Lisa, a Vitória de Samotrácia, a Vénus de Milo, enormes coleções de artefatos do Egito antigo, da civilização greco-romana,  e numerosas obras-primas dos grandes artistas como Rembrandt, Michelangelo, Goya e Rubens.
Preparem-se para “perder” um dia inteiro aqui, mas acreditem que vale a pena! À entrada recolha os folhetos informativos disponíveis, estes folhetos vão ser úteis tanto para situá-lo como para ver quais os departamentos de arte por onde passou.

Jardins das Tulherias (francês: Jardin des Tuileries)
Este é o jardim mais histórico, mais antigo e um dos mais bonitos jardins de Paris. Entra pelo lado do Louvre e aprecia o Arco do Triunfo do Caroussel.

Praça da Concordia (fracês: Place de la Concorde)
É a maior praça da capital francesa, uma das mais famosas e palco dos acontecimentos mais importantes da história de França.

Campos Elísios (francês: Champs-Élysées)
Ao contrário daquilo que o nome indica, esta é a Avenida mais prestigiada e famosa de Paris, com cinemas, shoppings, cafés e lojas de especialidades luxuosas, basta 2 minutos aqui para perceberem o “luxo”, basta contar o número de Hummers, Ferrari’s e Mustangs que por aqui passam, entre outras marcas que desconheço completamente!

Arco do Triunfo
Este monumento, foi construído para celebrar as vitórias militares do Napoleão Bonaparte, localizado no início dos campos elísios é provavelmente o mais conhecido arco triunfal do mundo.

Galerias Lafayette
Para as doidas por compras, estas galerias são um mundo!
Mesmo que não goste de compras, as Galerias Lafayette são um  show arquitetónico por dentro e tem ainda um terraço gratuito de cair com uma vista magnífica sobre a cidade de Paris.
Vale a pena dar um saltinho aqui, comprar um docinho gourmet e apreciar a bela vista.

Catacumbas de Paris
As Catacumbas de Paris são um ossuário subterrâneo GIGANTE localizado na cidade de Paris, apenas é possível visitar um parte minúscula deste ossuário, o percurso tem cerca de 2km. Ao longo desses 2km podem apreciar as ossadas que foram dispostas nos corredores das Catacumbas com certa criatividade artística e algumas mensagens. As Catacumbas costumam ser bem concorridas da parte da manhã, por isso aconselho-vos a adquirir o bilhete online para passar à frente.

Jardins do Luxemburgo
Para mim é dos Jardins mais bonitos, decorado com imensas estátuas e pequens lados e algumas áreas dedicadas ao lazer. Tem parques infantis, campos de ténis, de basket e podem ainda fazer um passeio de ponei. 

Moulin rouge
Dos cabarets mais conhecido pelo seu moínho vermelho.
O Moulin Rouge continua a ter uma grande variedade de espectáculos para todos aqueles que querem experimentar o ambiente boémio da Belle Époque.

Montmarte
Um bairro que vale a pena conhecer e imortalizado pelo filme da Amélie Poulain, se fores visitar a Basílica do Sagrado Coração aproveita para ir a pé e conhecer um pouco mais deste bairro. As ruas estão cheias de artistas, turistas e vendedores ambulantes(claro!) .  No ponto mais alto da colina, situa-se a famosa Basílica do Sagrado Coração.

Basílica do Sagrado Coração (francês: Sacré Coeur)
A basílica está localizada no topo do Montmartre, o ponto mais alto da cidade e oferecer uma vista magnífica sobre a cidade de Paris.
Da Basílica não há nada a dizer, ela fala por si. Inspirada na aruitetura romana e bizantina, tem o formato de cruz grega adornada por quatro cúpulas, incluindo a cúpula central de oitenta metros de altura.No seu interior existem lindíssimas pinturas e abóbadas extremamente interessantes. Vale a pena a visita!

Centro Georges Pompidou
O Centro Pompidou é um espaço polivalente composto por um museu com uma das maiores coleções de arte moderna e contemporânea do mundo e uma biblioteca pública e espaços dedicados à musica e ao cinema. Abriga ótimas exposições temporárias, podes consultar tudo no site online.
O Centro Pompidou tem a mais importante coleção de arte moderna e contemporânea na Europa. A cada ano, exposições monográficas ou temáticas são organizados pelo Centro Pompidou, que apresenta um rico programa de espetáculos de música, dança, teatro, performance e cinema que explora as interações entre as diversas disciplinas e as artes visuais.

Disneyland
Quer sejamos crianças ou não, passa pela cabeça de toda a gente visitar a Disneyland Paris, apesar de ser um parque de atrações e de entretenimento em Marne-la-Vallée, localizada 32 km do centro de Paris, é um parque extremamente emocionante e fascinante conhecer.
O parque é composto por alguns hotéis resort, um complexo de compras, alimentação e entretenimento e dois parques temáticos, o Disneyland Park e Walt Disney Studios Park.
O primeiro é dedicado ao reino da fantasia das personagens Disney; o segundo leva-nos aos bastidores do Cinema, da Televisão e da Animação da empresa.
Ambos os parques tem atrações para miúdos e graúdos, logo à entrada recolha o plano do parque e o programa, aconselho a visita a ambos e a fazer uso do FastPass ticket, que te permite passar à frente da fila. Atenção: Só algumas atrações têm esta funcionalidade.
Compra os bilhetes online antecipadamente e poupa algum dinheiro e tempo nas filas.

Palácio de Versalhes (em francês: Château de Versailles)
O Palácio de Versalhes é um castelo real localizado na cidade de Versalhes, subúrbio de Paris. É cercado por enormes jardins,  com canteiros, estátuas, vasos, fontes e lagos. O objetivo dos jardins do Palácio de Versalhes tera de impressionar quem os visitasse, deviam exprimir através das suas fontes e estátuas a grandiosidade da França e do seu rei. Posso dizer que o objetivo foi cumprido!

Tal como utilizei a aplicação Visit a City para Nova Iorque, podes utilizar para organizar a tua próxima viagem, quer seja a Paris ou não. Basta seleccionar a cidade e já são sugeridos alguns planos, mas também podes criar o teu, é uma ajuda enorme porque à medida que vais inserindo os pontos de interesse a aplicação ajuda-te a encaixar essa visita no melhor dia e horário.

Para ficares a par das novidades,
segue-nos no Facebook aqui
e/ou no Instagram @elacozinha,

Se quiseres entrar em contacto comigo envia-me um e-mail para elecozinhaelalava@gmail.com

E hoje no Dia Mundial do Turismo apresento-vos dicas úteis na altura de fazer as malas. E apesar de vos escrever a partir de Lisboa, após uma visita de médico ao meu Porto, estamo-nos a prepararpara uma viagem muito, MUITO em breve. Uma viagem de sonho! Em breve relevarei o destino especial.
Deixo aqui as minhas dicas favoritas:

Pendurem os colares numa palhinha
necklace-1_1024

Enrolem as roupas
7h1a7138

Levem apenas pequenas quantidades de loções/shampoos/gel em frascos pequenos
giphy (1)

Reutilizem um organizador de comprimidos para guardar jóias pequenas, como anéis e brincos.
7h1a7008