Não foi fácil fazer uma mala para uma viagem de duas semanas ao Japão. Não posso levar tudo e preciso escolher muito bem o que levar. É preciso saber o que é prioridade e o que pode ser deixado de lado.

A primeira decisão foi a escolha da mala. Uma vez que vamos andar a saltar de cidade em cidade optei por levar uma mochila de campismo em vez de um trolley.
Comigo na cabine vai um saco de ginásio pequeno com o essencial para uma viagem de +/- 20h e levo uma mochilinha de costas pequenas guardada para andar lá, mas vamos por passos.

Comecei por elaborar uma lista de todos os itens que iria precisar. Fiz a lista atempadamente para ter tempo de preparar tudo, ou seja, garantir que a roupa que queria levar estava lavada e passada. Com esta lista não precisei de andar a fazer compras de última hora.

Organizei a lista por:
Roupas e acessórios: calças, casacos de malha, bikini/fato de banho, roupa interior, cintos e tops. Levo roupa para qualquer condição meteorológica, ou seja, levo “camadas”.
Calçado: uns chinelos e um par de sapatilhas
Produtos de higiene e beleza: Shampoo, gel de banho, creme hidratante de corpo e rosto, base, blush, lápis olhos, rimel, toalhitas desmaquilhantes, protetor solar, escova e pasta dos dentes.
Itens Eletrónicos: Tablet, máquina fotográfica, action cam, carregador, adaptador de corrente, baterias, etc
Medicamentos: Levo uma grande variedade a pensar em qualquer situação: adalgur, brufen, imodium, pensos, etc
Outros Artigos: Mapas, Guarda-Chuva, Livro, Snacks (estes não podiam faltar!).

Na hora de colocar todos os itens na mochila, comecei por enrolar as roupas em vez de irem dobradas. Fiz pequenos rolos e fui fazendo camadas, espero que as peças cheguem ao seu destino com menos vincos e dobras.
No fundo da mala, coloquei um saco para colocar as roupas sujas.

Comigo vão apenas alguns itens essenciais:
– Máquina Fotográfica & Action Cam (nem pensar em deixá-las na mala de porão)
– Tablet e Auriculares (para me entreter durante tantas horas de voo)
– Telemóvel, carregador e powerbank (admito que não sou a melhor pessoa a fazer gestão da bateria do meu telemóvel)
– Cartões de Crédito e Dinheiro
– Bilhetes de Avião e Documentos de Identificação (Passaporte e Cartão de Cidadão)
– Almofadinha de viagem (para fazer umas belas sonecas)
– Óculos de Sol e lenço/cachecol
– Snacks (óbvio que não podem faltar, para além disso a comida do aeroporto para além de muito má é carissíma!)

Para além disto tudo, antes de viajar certifico-me sempre que:
– Tinha bateria carregada no tablet, telemóvel, máquina fotográfica e powerbank;
Música/Filmes/Séries no telemóvel/tablet para ver em modo offline;
– Tours feitas no Visit a City em modo offline;

Vê aqui mais algumas dicas.

Para ficares a par das novidades,
segue-nos no Facebook aqui
e/ou no Instagram @elacozinha,

Se quiseres entrar em contacto comigo envia-me um e-mail para elecozinhaelalava@gmail.com

Nova Iorque e Japão eram duas das minhas viagens de sonho. Há dois anos realizei uma delas e visitamos Nova Iorque, daqui a duas semanas partimos rumo ao Japão.

Não tenho familiares japoneses, nem nada semelhante, mas adorava anime e mangá. O primeiro contato foi através do canal Locomotion quando surgiu a Cabovisão e o “bichinho” pegou, assim que tive internet via anima e lia mangás, visto que em Portugal a cultura japonesa não tinha muita visibilidade e esta era a única maneira de obter mangás. Quando viajava, aproveitava e comprava alguns quando encontrava.

Após Nova Iorque, Japão era o próximo grande destino.
Esta viagem requereu muito maior planeamento que Nova Iorque, foi necessário estabelecer antecipadamente um roteiro para decidirmos e reservamos o alojamento assim como ponderar a compra do Japan Rail Pass.

1) Viagem

Através do Google Flights criei uma notificação que me dava a indicação da tendência dos preços e acabamos por reservar os nossos bilhetes na Lufthansa. Vamos do Porto para Tóquio, fazendo uma escala em Frankfurt e depois voltamos a partir de Osaka, com escala em Tóquio e Frankfurt antes de chegarmos finalmente ao Porto.

2) Visto

A Lei mudou e atualmente o Japão mantém um acordo para isenção de visto com Portugal. Portanto, um português pode estar no Japão durante uma estadia inferior a 90 dias sem necessitar de visto.

3) Passaporte

Para viagens fora da União Europeia é obrigatório a apresentação do passaporte, o cartão de cidadão de pouco serve fora da Europa. Certifiquem-se de que o vosso passaporte está dentro da validade, mínimo de 6 meses,  se estiver caducado devem tratar da renovação dos documentos o quanto antes. Um passaporte novo ou a renovação do mesmo tem um custo de 65€.

4) Roteiro

O Japão é GIGANTE e é necessário estabelecer um roteiro. É necessário tomar decisões difíceis porque não dá para visitar tudo. As opções são mais que muitas e o tempo é limitado que inevitável temos que deixar coisas muito interessantes de fora, mas isso é apenas um motivo para lá voltar no futuro, né? Vamos 15 dias e para já está decidido visitarmos Tóquio, Monte Fuji, Quioto, Nara e Osaka.

Apesar disso queremos aproveitar ao máximo e tal como fiz para Nova Iorque, utilizei o Visit a City,  onde podem consultar já roteiros pré-definidos ou fazer o vosso. Criei 3 iterários: Um para Tóquio + Monte Fuji, Um para Quioto + Nara e um para Osaka. Depois de organizar o roteiro fiz download do mesmo para conseguir ver em modo offline.
Esta é uma óptima ferramenta pois ao adicionar um novo ponto de visita ele calcula qual o melhor dia em que essa visita se enquadra no roteiro, tendo em conta a proximidade com os restantes.

5) Deslocação

Existe o Japan Rail Pass é um passe de comboios válido durante um período de 7, 14 ou 21 dias consecutivos, criado especificamente para viajantes estrangeiros que pretendam visitar o Japão e tem de ser comprado antes de chegar ao Japão, mas o preço pode assustar. Se bem utilizado, ele ajuda a poupar muito dinheiro em transportes.
Convém analisar muito bem o roteiro e se realmente compensa a sua compra ou não. Para ajudar nesse processo, acede ao site da HyperDia e soma o preço de todas as deslocações que terás de fazer. Compara com o preço do JR Pass aplicável (7, 14 ou 21 dias) e opta pela opção mais barata.

Comprar ou não o Japan Rail Pass foi das decisões mais demoradas que tivemos de tomar.
Uma vez que em Tóquio não se consegue utilizar o Japan Rail Pass e o voo de volta parte de Osaka e essa seria uma deslocação a menos (porque maior parte das pessoas regressa a Tóquio) optamos por não comprar o Japan Rail Pass.

Uma vez que vamos viajar com um casal amigo optamos por reservar um carro durante 4 dias. Vamos de Tóquio para o Monte Fuji e depois de lá para Quioto, onde deixamos o carro. Existe uma taxa extra para deixar o carro numa localização diferente, mas acaba por compensar. Para conduzir no Japão é necessário a carta Internacional, basta ir ao IMT e pedir. A carta tem o custo de 30€.

6) Dinheiro & Cartões de Crédito/débito

As pessoas com quem falei que foram ao Japão tiveram imensos problemas com os cartões de crédito e débito. Para já vamos levar Ienes Japoneses que pedi no banco uma vez que lá as taxas de câmbio são um roubo por isso aconselho-vos a “encomendar” Ienes Japoneses antecipadamente junto do vosso banco.
 DICA: Para facilitar é transformar os ienes em dólares, dividindo por 100. Se uma coisa custa ¥1.000, então isso corresponde a aproximadamente US$10 e é mais fácil depois calcular em euros.

7) Alojamento

Em qualquer das viagens que faço, procuro hotéis até à exaustão, na tentativa de reduzir o orçamento da viagem para depois ter mais margem para outras coisas durante a viagem. Convém reservar com antecedência para obter os melhores preços, por isso é importante ter já o roteiro planeado.

Como sabem, uso sempre o airbnb e o booking nas minhas viagens, e o caso do Japão não foi exceção.
Tanto num como noutro podem ver os comentários de outros hóspedes sobre os hotéis/habitação, a pontuação atribuída ao mesmo, condições do quarto e por vezes encontram promoções e ofertas de última hora. Pessoalmente, gosto mais do booking porque permite cancelar as reservas sem custos e isso dá alguma tranquilidade caso seja necessário mudar o itinerário caso necessário.



Booking.com



Booking.com



Booking.com

8) Diferença Horária

No Japão a diferença é de mais 9 horas do que em Portugal, por isso já vamos preparados para uma direta na primeira noite e para lidar com o jetlag quando regressarmos.

9) Quando viajar

Escolhemos o mês de Abril, por ser a melhor altura para vermos as cerejeiras em flor, mas este ano elas pregaram uma partida e já começaram a florescer, espero ainda conseguir apanhar alguma coisa. Para além disso, as estações são muito semelhantes às nossas e parece que irá estar um clima ameno.

10) Internet

Viajar para um sítio onde não se fala a língua e não se consegue perceber absolutamente nada do que está escrito pode ser um desafio. Por isso, nada melhor que um telemóvel com internet para tirarmos qualquer dúvida necessária. Podem optar pelo Pocket Wi-fi ou por um Cartão Sim Card. Optamos pelo Cartão Sim que dá para 15 Dias, 3GB e custa apenas 23€. Compramos aqui.

11) Mala

Vou optar por levar uma mochila de campismo em vez de mala de rodinhas gigante para ser mais fácil entre deslocações. Na mochila vou levar apenas mudas de roupa para uma semana com esperança de a conseguir lavar durante o percurso. Porque colocar roupa para duas semanas numas mala é quase missão impossível. Para além disso, convém deixar espaço para todas as lembranças que vou trazer de lá!

Resumindo

Planear uma viagem ao Japão requer tempo, paciência e vontade. Há quem goste de planear conforme as coisas vão acontecendo, mas esse não é o meu estilo. Para além disso, planear a viagem dá-me imenso prazer. Adoro fazer a pesquisa e encontrar coisas sobre os quais nunca tinha ouvido falar, decidir onde ir e o que fazer. No entanto deixo sempre margem para o imprevisto, nada está escrito em tinta permanente.

 

Se tens dicas interessantes partilha comigo! 🙂



Booking.com

 

Para ficares a par das novidades,
segue-nos no Facebook aqui
e/ou no Instagram @elacozinha,

Se quiseres entrar em contacto comigo envia-me um e-mail para elecozinhaelalava@gmail.com

Apesar de adorar o que faço, a verdade é que também preciso de uma pausa para recarregar energias, recuperar forças e descansar a cabeça.
A verdade é que estava ansiosa por esta viagem, Córsega era um dos destinos da minha Bucket List e visto termos um casamento em Paris a meio de Agosto tentamos conciliar tudo. E conseguimos! Houve tempo para relaxar junto à piscina, dar muitos mergulhos, para umas corridinhas à beira-mar, com treinos leves (viva ao DELOAD), para estar com família que já não via há imenso tempo e ainda deu tempo para dar um saltinho à Torre Eiffel <3

O tempo na Córsega não podia ter estado melhor, jantares cá fora super agradáveis, um intenso mar azul e paisagens lindas que encantam.
Optamos por ficar em Ajaccio e o nosso hotel ficava a cerca de 2km do aeroporto e cerca de 15min de autocarro do centro de Ajaccio, numa zona bastante tranquila.


Chegamos Domingo à noite, cerca das 23h, exaustos com tanto tempo de viagem e espera entre voos, resolvemos apanhar o avião em Lisboa para Marselha e depois um avião para Ajaccio. Foi simplesmente chegar ao hotel e cair para o lado.

Na segunda de manhã acordámos e fomos direitinhos para o pequeno-almoço, quem é que é capaz de resistir a um pequeno-almoço de hotel?
Este pequeno-almoço era típicamente francês, com muita variedade de queijos e compotas, crepes (always), vários tipos de pães, croissants e pain au chocolat. Para além disso tinha opções como fruta, iogurtes, cereais, e alguns pratos quentes como os típicos ovos mexidos e ovos cozidos.
O Hotel de 4 estrelas tinha ainda um restaurante “Les Bougainvillées” que servia especilidades da ilha, reinventadas e super gourmet. Ora espreitem lá:

Os dias eram passados pela praia ou piscina, aproveitando recarregar baterias, num hotel perfeito para ser aproveitado por toda a família.



Booking.com

Num dos dias decidimos visitar o centro de Ajaccio e fazer um cruzeiro até às Ilhas Sanguinárias.

Foi bom para aproveitar para ler um livro e ter tempo para pensar nos meus projectos pessoais. Uma ilha bonita, com imensos sítios para visitar.
Gostava de ter tido mais tempo, ter alugado um carro e ter percorrido um pouco da ilha, mas infelizmente tínhamos poucos dias para descansar pois na Sexta-Feira íamos de viagem novamente, desta vez para Paris e com um casamento no fim-de-semana. Quem sabe numa próxima oportunidade. Até à próxima!

Para ficares a par das novidades,
segue-nos no Facebook aqui
e/ou no Instagram @elacozinha,

Se quiseres entrar em contacto comigo envia-me um e-mail para elecozinhaelalava@gmail.com

468x60_Saude

E hoje no Dia Mundial do Turismo apresento-vos dicas úteis na altura de fazer as malas. E apesar de vos escrever a partir de Lisboa, após uma visita de médico ao meu Porto, estamo-nos a prepararpara uma viagem muito, MUITO em breve. Uma viagem de sonho! Em breve relevarei o destino especial.
Deixo aqui as minhas dicas favoritas:

Pendurem os colares numa palhinha
necklace-1_1024

Enrolem as roupas
7h1a7138

Levem apenas pequenas quantidades de loções/shampoos/gel em frascos pequenos
giphy (1)

Reutilizem um organizador de comprimidos para guardar jóias pequenas, como anéis e brincos.
7h1a7008