Foram 3 meses intensos, de muito foco e dedicação para alcançar esta medalha e me tornar MARATONISTA!

Ao longo destes 3 meses apercebi-me que uma maratona é muito mais do que 42km.
Não é só correr os 42km que é díficil, é a preparação para a maratona que também não é fácil, são meses de treino intenso, alguns com muito calor , vários dias acordar às 6h da manhã, são os quilómetros que temos que fazer todas as semanas para chegar ao dia da prova e cumprir. 
Cruzar aquela linha de meta, não só traz um sentimento enorme de satisfação de ter superado os últimos quilómetros, como a concretização da coragem de me ter metido naquela aventura e não ter desistido.

Porque não é fácil! Mas vamos começar pelo início…

O meu grande objetivo era acabar a Maratona e fazê-la sempre a correr. Não estava preocupada com ritmos, sobretudo depois do último mês ter perdido a minha motivação e foco e daí me ter “desleixado” um bocadinho. Os treinos foram poucos e o longo de 26km bastante doloroso. Estas últimas semanas foram de tappering e serviram essencialmente para alinhar a minha cabeça e coração para conseguir enfrentar este desafio. 

Pelas 8h já andava por Matosinhos, às 8h20 tirei a foto de grupo do Running Espinho e depois troquei as sapatilhas que tinha nos pés para as Zoom Pegasus 34, tinha um pouco receio que a chuva fosse mais intensa antes da prova e levei uma muda para não começar a prova com os pés molhados.
Coloquei o tapa orelhas e um chapéu de sol para impedir a chuva de me bater na cara (dica que procurei no dia anterior). Vesti o impermeável, fiz um ligeiro aquecimento e dirigi-me para a minha box  com o coração aos pulos. 

Às 9h (hora marcada) deu início à Maratona e ao meu grande teste. 

Comecei bastante entusiasmada, estava com as emoções à flor pele e deixei-me levar pelo ritmo alucinante e atrás daquela gente toda. Este foi o meu erro, comecei depressa demais.

Mantive-me assim num ritmo médio de 5:30 até à marca da meia-maratona, onde sabia que iria encontrar minha família, que rumou ao Porto para me ver correr e apoiar.
Disse-lhes para irem para a perto da Ponte D. Luís, pois seria o melhor sítio onde me poderiam ver várias vezes a passar. E assim foi, passei aos 20km, aos 30km, aos 32km e parece que foi como tomar um gel cada vez que os via! 

Passei à meia-maratona em 1:58:09,  aqui ainda me sentia-me confiante para o que aí vinha. Mas ao KM25 tudo mudou , as pernas começaram a pesar, já estava completamente ensopada e vento não ajudava. Abrandei o ritmo e deixei-me andar num ritmo médio de 6:00 até que comeceu a fraquejar e ao KM35 comecei a quebrar e bati num muro. Já tinha passado mais duas vezes pela minha família, mas dali até à meta estava “sozinha”, até fiquei sem bateria nos headphones e começou a custar-me imenso, mas eu não ia ficar por ali, abrandei novamente o ritmo e fiz o resto do percurso sem forçar muito.

Faltavam ‘só’ sete quilómetros e apesar dos géis, da água, das passas e das bebidas energéticas não tinha mais energia, o tanque  estava a zero e arrastei-me literalmente até à meta num ritmo de 6:40. 

Ao KM41, apesar da chuva, as pessoas continuavam apoiar e berravam “campeões”, “força”, “conseguiste”, “está feito”, e eu continuei até à meta.

Passado 4:17:01 missão cumprida!  Orgulhosa e medalha ao peito abracei o meu babe que estava à minha espera na meta.

Recordo-me de ter feito o primeiro treino de 10km após a operação ao apêndice que me deixou de rastos, completamente desmotivada e a pensar “Como raio vou fazer 42km? No que é que me meti.” Mas foi o fato de ter este objetivo que me ajudou a continuar. A cada semana, a cada dia, a cada treino estava mais focada em atingir os temíveis 42km, mas eu sou assim: não desisto para conseguir aquilo que desejo (apesar de todos os contratempos) e hoje posso dizer: SOU MARATONISTA!

Maratona do Porto

Para ficares a par das novidades,
segue-nos no Facebook aqui
e/ou no Instagram @elacozinha,

Se quiseres entrar em contacto comigo
envia-me um e-mail para elecozinhaelalava@gmail.com

Snacks saudáveis para se alimentar durante o dia de trabalho

Conhece um snack para cada dia da semana. São 5 snacks saudáveis e fáceis de preparar. Do que estás à espera para experimentar?

Trabalhar das 9 às 18 pode ser sinónimo de muito dinheiro gasto em vending machines. O que também equivale a muitos lanches ricos em gordura e açúcar. Mas há uma solução para esse mauhábito: preparar snacks saudáveis em casa e levá-los para o trabalho. Esta opção não só é mais leve para a nossa carteira, como também é muito mais saudável. O único problema é… não terem ideias?


Pois aqui vos deixo 5 snack saudáveis e fáceis de preparar para levar para o trabalho!

Segunda-feira: trufas de chocolate
Regressar ao trabalho é sempre difícil. Por isso, às segundas-feiras merecemos um doce! Estas trufas de chocolate à base de tâmaras são extremamente doces, mas não levam açúcar branco ou açúcares refinados. Basta misturar na trituradora 12 tâmaras sem caroço ou pasta de tâmaras, 200 gramas de nozes (ou outro fruto seco à vossa escolha) e pepitas de chocolate. Levar ao frigorífico, deixar solidificar e… comer!
Ou experimenta estas energy balls de caramelo.

Terça-feira: bolachas de arroz
Quem é que acaba a segunda-feira com vontade de cozinhar para o dia seguinte? Então, terça-feira é o dia de optar por um lanche comprado mas bastante saudável, as populares galetes ou bolachas de arroz. O truque é combinar as bolachas de arroz com queijo ou com uma peça de fruta, para fazer um lanche mais completo e saciante.
Vê aqui as minhas sugestões.

Quarta-feira: barrinhas de granola caseira
São rápidas de fazer, muito saudáveis e de absorção lenta, por isso dão saciedade durante todo o dia. Basta misturar flocos de aveia, frutos secos (ou frutos vermelhos, sementes, barras de goji, etc.), juntar com mel e levar ao forno durante 20 minutos. Conservam-se durante dias e não precisam de ficar no frio, por isso são ideais para levar para todo o lado. Podem guardar para os restantes dias da semana!
Experimenta também estas barritas raw.

Quinta-feira: iogurte com fruta
Se no seu trabalho há uma copa com frigorífico, leve um iogurte natural sem açúcar e um tupperware com fruta cortada. Na hora do lanche, misture a fruta no iogurte: tão simples quanto isso. Baixo em gordura, sem nenhum açúcar adicionado e 100% natural. Privilegie a fruta da época, como as
bananas, as pêras ou as maçãs.
Espreita também a sugestão de parfait de iogurte.

Sexta-feira: bolachas de aveia
É Sexta-feira e já temos um snack que nos vai durar até ao fim de semana: bolachas de aveia com mirtilos. Podem mudar a receita conforme queiram: pessoalmente gosto de juntar amêndoa em vez de noz, açúcar mascavado em vez de açúcar branco e farinha integral. Um clássico de Inverno e que
toda a gente no escritório vai querer provar!
Espreita também as cookies de limão e chia.

Gostaram das ideias? Podem descobrir estas e outras recomendações com especialistas profissionais.
Para isso, procurem consultas de nutrição no Porto, não caiam em dietas malucas!

Para ficares a par das novidades,
segue-nos no Facebook aqui
e/ou no Instagram @elacozinha,

Se quiseres entrar em contacto comigo
envia-me um e-mail para elecozinhaelalava@gmail.com

Eis o resumo desta preparação:
Distância: +/-600 quilómetros
Treinos: 44

Mas vamos ao que interessa…

Faltam 15 dias para a minha primeira Maratona e vou entrar agora na fase de tapering, que consiste basicamente numa redução da carga de treinos antes de uma prova importante.
Não vou deixar de treinar, pois o corpo necessita na mesma de estímulos, mas vou treinar menos e descansar mais, porque tal como diz a Isabel Silva “a recuperação é tão ou mais importante que o treino” e eu, bem ou mal, já fiz o meu.
Apesar de ter tido um contratempo nestas últimas duas semanas que me deixaram de rastos, sem motivação para treinar e com vontade de desistir da Maratona, também tido imenso apoio e visto que passei os últimos meses a treinar no duro não vou desistir e vou dar o meu melhor.

Apesar de tudo não podia estar mais orgulhosa nesta preparação, quem diria que ira conseguir fazer 33KM seguidos ou cerca de 70km por semana?

Eu não sou nenhuma atleta e sei que existem milhares de corredores mais rápidos do que eu e outros tantos que fazem isto com uma perna às costas (literalmente), mas como eu mencionei em vários posts, não nos devemos comparar com ninguém: Cada pessoa é única, assim como cada jornada.

Tenho treinado ao meu próprio ritmo, tenho ouvido o meu corpo e o mais importante é que tenho tentado disfrutar de cada treino.
Cada treino longo para mim foi uma vitória, a cada treino longo fiz a festa, lancei foguetes e apanhei as canas. Tive sempre orgulho em mim! 

Primeiro, e mais importante de tudo: nos treinos longos que fui fazendo, fui testando e encontrei a fórmula a nível alimentar para ter um treino sem qualquer “revolta interior”.
A opção passa por garantir que no dia anterior  o meu jantar/ceia é bem carregadinho de hidratos de forma a garantir que tenho energia da manhã seguinte.  Acordo, tomo um pequeno-almoço rápido (algo com banana + aveia + uma boa dose de proteína) e arranco com o meu treino.
Desta maneira, sinto-me bem durante toda a manhã e sem fome.
Para já vai ser esta a fórmula a utilizar para a Maratona do Porto.

Segundo, a nível de equipamento: testei tudo, desde sapatilhas, calções, soutiens, cintos, braçadeiras, headphones, etc etc etc.
Vou levar o cinto da Patuá, com os calções da Compress Sport, as Nike Zoom Pegasus 34, o Soutien da Decathlon, e o top da Running Espinho.
Os headphones Jabees, com os quais não sinto qualquer desconforto.  A nível de geís também testei durante os treinos longos, mas a verdade é que vai depender bastante das condições do dia e de como me sentir. Tendo em conta que existe água de 5 em 5km conto tomar um gel ao KM 15 e outro ao KM 30, vou levar um gel extra just in case e uma barrita caso me dê a fomeca.

Espreita aqui o percurso: Martona do Porto

Se me tivessem perguntado há duas semanas como me sentia em relação à Maratona no Porto, sorria e com um nervosinho miúdinho diria que estava pronta a enfrentar a prova rainha, mas tendo em conta estas últimas duas semanas e o meu estado de espírito atual, só posso dizer que nas semanas que se avizinham vou tentar cuidar de mim o suficiente para no dia 4 ter a mente e coração no sítio certo para enfrentar a Maratona.

Se me quiseres seguir no dia 4 de Novembro, este é o meu número: 7543

Para ficares a par das novidades,
segue-nos no Facebook aqui
e/ou no Instagram @elacozinha,

Se quiseres entrar em contacto comigo
envia-me um e-mail para elecozinhaelalava@gmail.com

Queres começar a correr? Não cometas estes erros comuns nos principiantes.

Não é preciso inscrição e também não é preciso muito equipamento. Por isso, qualquer pessoa pode começar a correr.

Para além destas 5 Dicas para Começar a Correr é importante não cometeres os seguintes erros, muito comuns em quem começa a correr.

Treinos demasiado compridos

Quase todos acham que conseguem correr pelo menos 20 minutos seguidos, mas isso não é necessariamente verdade. Para muitos, 20 minutos é muito tempo. Por isso, começa com distâncias e períodos de tempo curtos de corrida contínua, intercala com algumas pausas, dá ao teu corpo tempo para se adaptar a este novo estímulo que é corrida e isso leva o seu tempo.

Correr todos os dias

A corrida está na moda um forma eficaz de ficar em forma e perder peso. Quem começa pensa que é preciso correr todos os dias (ou quase todos) para alcançar esses objetivos. Não podiam estar mais enganados. Os músculos precisam de descansar porque apesar de tudo a corrida tem um grande impacto para o nosso corpo, sobretudo para aqueles que estão a começar e não têm os músculos desenvolvidos. Inclui sempre dias de descanso.

Equipamento Adequado

Não é preciso investir muito, mas não aconselho ninguém a correr sem antes comprar um bom par de sapatilhas e roupa transpirável (e nas mulheres, um bom soutien desportivo é uma mais valia que deve ser considerada também).

Correr com dores

Para quem começa e enquanto o corpo não se habituada, a corrida pode ser algo desconfortável, é um sentimento perfeitamente natural, mas sentir dor é outra história. Se sentires dores em algum sítio, o melhor é parar e consultar um especialista antes que a situação se agrave e te encoste às boxes.

Fazer comparações

Se não és o Eliud Kipchoge ou o Usain Bolt, então é certo que vai existir muita gente a correr mais tempo e mais depressa que tu. Não te deves sentir mal por isso, cada pessoa tem o seu caminho, todos começaram do 0 e todos lutaram para superar os seus resultados. Tenta sempre melhorar a tua corrida e não a dos outros.

Para ficares a par das novidades,
segue-nos no Facebook aqui
e/ou no Instagram @elacozinha,

Se quiseres entrar em contacto comigo
envia-me um e-mail para elecozinhaelalava@gmail.com

Treino de Séries

O treino de séries é um excelente método para a melhoria da resistência e da velocidade.

Tenho recebido algumas perguntas relativamente a este tipo de treino.

Chega a uma certa altura que por mais que a gente treine, não conseguimos melhorar os nossos recordes pessoais (correr a mesma distância em menos tempo) e é aqui que os treinos de séries entram.

Vê também: 5 Exercícios com Foam Roller para Corredores

Os treinos de séries são uma espécie de treinos intervalados de alta intensidade, intercalando picos de esforço com pausas de recuperação.  Estes treinos, por sua vez, consistem na fragmentação do esforço total, com períodos de recuperação. És assim obrigado a variar constantemente entre o metabolismo aeróbico e anaeróbico, o que fortalece o sistema cardiovascular.

Objetivo

Este tipo de treino é principalmente utilizado para o desenvolvimento da potência aeróbia, capacidade láctica e potência láctica, o que atrasa a fadiga muscular.

Tipos de Treino

Dentro do treino de séries existem dois tipos de método que se distinguem pelos níveis de intensidade do esforço:
Método Extensivo: maior volume, menor intensidade. (mais séries, distâncias curtas)
Método Intensivo: menor volume, maior intensidade. (menos séries, distância maiores)

A escolha do tipo de método irá depender sobretudo da distância para qual estás a treinar.

Como treinar?

A escolha do número de séries, distância e ritmo, depende de vários factores; Idade do Atleta, experiência, prova/distância que está a treinar e performance atual. No entanto, deves realizar cada série fora da tua zona de conforto, mas nada melhor do que consultar um profissional para ele te atribuir um plano adequado.

O treino de séries apesar de tudo é muito semelhante a um treino normal, começa com uma fase de aquecimento, depois entram as séries propriamente ditas e no final o retorno à calma. Em muitos planos vão ver WP (warm-up) que será o tempo/distância de aquecimento e deve ser feita em corrida lenta, descontraída e o retorno à calma, ou CD (cooldown) è muito semelhante onde se dedica também tempo a exercícios de flexibilidade e alongamento. Durante o treino propriamente dito, deves repetir a mesma distância ao mesmo ritmo um determinado número de vezes.

 

Não te esqueças de aliar isto tudo a uma boa alimentação e a descanso. Bons treinos! 

Para ficares a par das novidades,
segue-nos no Facebook aqui
e/ou no Instagram @elacozinha,

Se quiseres entrar em contacto comigo
envia-me um e-mail para elecozinhaelalava@gmail.com